segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Ser Deficiente é ser capaz

Venho aqui apresentar-lhes o livro da minha amiga Rita Saraiva.

A Rita Saraiva nasceu em 1972 em Lisboa. Pintora e poetisa, licenciou-se pela UTL na Faculdade de Arquitectura em Design de Produto (2000).
Edita agora o seu primeiro livro de auto-ajuda baseado na sua vivência e percurso quer de estudante quer de pessoa com incapacidade motora de 80%.
Um testemunho em primeira mão, escrito como diário intimo e pessoal, muito pessoal.


SER DEFICIENTE É SER CAPAZ

"Este livrinho pretende ser uma ajuda para quem sofre de mobilidade reduzida ou de alguma deficiência, mas também para as pessoas acompanhantes da mesma… amigos, pais, família e professores ou outras, todas as pessoas se poderão rever neste relato feito com o coração para o coração de cada um de nós.

É uma visão muito simples da vida, de alguém que no momento em que se encontrou sem estrada, sem energia, construiu a própria estrada, a própria alegria, a própria vida. Conselhos, exemplos, episódios pontuais de grande realismo e semelhantes a muitos casos, se registam aqui como prova de que é possível, prova de que a matéria só é um reflexo do que o espírito pode alcançar.
Fala sobre AMIZADE, ESFORÇO, CORAGEM, FÉ, ALEGRIA de viver e olha para a vida com uma promessa de AMOR.

«…Por sonhar em ser veloz ou ágil, o deficiente quebra as barreiras do que é impossível. O deficiente é teimoso, teima em viver.
O sopro de vida no deficiente é muito mais forte do que nas pessoas 100%».
«…A delícia é a sobreposição de um gesto a outro gesto. É a invenção da experiência feliz. Na delícia eu nego o que não quis na vida.
Estico-me na delícia, absorvo a música, o ar…
Na delícia atiro-me ao vento e o tempo que espere por mim!
Na delícia posso repousar e o único embate é o doce, porque o gelo já se partiu todo. A delícia, o último segredo guardado bem cá dentro no íntimo de cada um de nós é a descoberta que eu fiz e tento explicar de um modo simples e todas as pessoas que forem capazes de a sentirem. Mais ainda a quem for deficiente. Um mundo de motivos e de progressos existe para si e para todos, preciso é cultivá-lo.
Este livro é para todos e para quem tem coragem para ter «coragem».

«…Nós deficientes conseguimos sentir delícia, um sabor terno, manso, exuberante, uma brisa de vida intensa. Mas temos que procurá-la.
Procura a brisa da tua vida, amigo. Procura a delícia. O sabor que tu gostas.
A todos os pais, todos, digo que façam dos seus filhos pessoas capazes de ser independentes nos gestos, nos desejos, nos prazeres, nos passos que dão e atenção que isso, começa em criança nos detalhes».


in    SER DEFICIENTE É SER CAPAZ
Rita Saraiva
Editora: Padrões Culturais

Podem encontrá-lo numa livraria ou encomendá-lo em: padroesculturais@gmail.com


Bom 2013

"Que as realizações alcançadas este ano sejam apenas sementes plantadas que serão colhidas com maior sucesso no ano vindouro."







sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Apelo

O Félix Correia está a precisar de ajuda para adquirir uma handbike, para poder participar em provas da modalidade.
Fica aqui o pedido dele.



IEFP - Execução do Orçamento 2012



ISTO É VERGONHOSO

Fizemos uma vigília para acabar com isto. Pelos vistos ainda não conseguimos, mas não vamos ficar parados.

O IEFP tem no orçamento 762.000€ mas até ao fim de Novembro gastou 17.256,04 €

Há que perceber porquê.

Nos orçamentos regionais talvez tenhamos uma resposta. A Região Norte tem 33.062€, a Região Centro tem 52.580€, a de Lisboa e Vale do Tejo 137.500€, o Alentejo tem 12.000€ e o Algarve tem 0 (zero) de orçamento. É natural que todas estas regiões não estejam “disponíveis” para atribuir Ajudas Técnicas nem divulgar que têm essa responsabilidade.

Por isso o Norte atribuiu 1 Ajuda Técnica, o Centro nenhuma, Lisboa e Vale do tejo 4, o Alentejo 2 e o Algarve, como não podia deixar de ser, para quem nem tem orçamento, atribuiu 0.

Onde anda o resto do orçamento?

Está nos Serviços Centrais e Centros de Gestão Participada, que não atribuíram qualquer Ajuda Técnica. São 526.858€ que pelos vistos estão guardados para a poupança ou para agradar à Troika e reduzir o défice.

E se fossem poupar nos carrinhos topo de gama?

Podem consultar o relatório do IEFP e descobrir muito mais programas que têm execuções próximas dos 0%, está aqui: http://www.iefp.pt/estatisticas/IndicadoresActividade/ExecucaoFinanceira/Documents/RelatorioMensal_201211.pdf
 

Fonte : (d)Eficientes Indignados

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

ARS e Estabelecimentos hospitalares do Serviço Nacional de Saúde

No âmbito da prescrição dos produtos de apoio, divulga-se, para conhecimento, a Circular Informativa N.º 26/2012/DPS da ACSS - Administração Central do Sistema de Saúde, I.P.
Icone identificativo de ficheiro pdf Circular Informativanº 26/2012/DPS da ACSS (329 kB)

Lista de Produtos de Apoio para 2013


Informa-se que já foi publicada a lista dos produtos de apoio onde constam todos os produtos que, em 2013, poderão ser prescritos ao abrigo do regime provisório do Sistema de Atribuição dos Produtos de Apoio (SAPA).
A referida lista,  aprovada em anexo ao Despacho n.º 16313/2012,  de 21 de Dezembro  II Série, está conforme a norma ISO 9999:2007 e entrará em vigor a partir de 1 de Janeiro de 2013.

COMEMORAÇÕES DIA MUNDIAL DO BRAILLE - FÓRUM INR


A ACAPO e o Núcleo para o Braille e Meios Complementares de Leitura convidam todos os interessados a marcar presença nas Comemorações do Dia Mundial do Braille. Em 2013, a data do nascimento de Louis Braille será assinalada com a realização de um Fórum no INR, I.P., que terá lugar no dia 4 de Janeiro  pelas 15h00, subordinado ao tema “A Interacção entre o Braille e as Novas Tecnologias – Desafios à Literacia”.

Programa

  • 15h00|Abertura - INR  
  • 15h15| Palestra proferida por Jorge Fernandes, FCT - Fundação para a Ciência e a Tecnologia, Unidade ACESSO,
  • 15h35| Intervenção de Representante da Área de Leitura Especial da Biblioteca Nacional de Portugal, Secretaria de Estado da Cultura
  • 15h55| Intervenção de Representantes da Direção-Geral de Educação, Ministério da Educação e Ciência, Cristina Miguel e Manuela Micaelo – Projeto Quatro Leituras
  • 16h15| Intervenção da ACAPO (Associação de Cegos e Amblíopes de Portugal) - “Perspetivas do uso do Braille ao longo da vida”
  • 16h35| Debate
  • 17h30| Encerramento

    Formação Financiada para Técnicos e Outros Profissionais de Reabilitação Profissional

    Exmo/a Sr./Sra.

    Venho, por este meio, disponibilizar informação sobre o Programa: Qualidade nos Serviços e Organizações - Formação e Sensibilização de Técnicos e Outros Profissionais de Reabilitação Profissional(totalmente financiado).

    O projeto consiste em acções de sensibilização e de formação profissional dirigidas a técnicos e outros profissionais de reabilitação profissional, não implicando qualquer investimento por parte da entidade e tendo como objetivo principal a aquisição ou actualização de conhecimentos para um bom desempenho profissional e a aquisição ou aprofundamento de competências profissionais e relacionais necessárias para o início do exercício da atividade profissional, para uma melhor adaptação às mutações tecnológicas e organizacionais e/ou reforço da sua empregabilidade.

    Para as acções de sensibilização a duração pré-estabelecida é de uma carga horária entre 6 a 12 horas de formação.

    As acções de Formação profissional, por sua vez, deverão ter uma duração mínima de 25 horas e máxima de 250 horas e têm como requisitos:

    - a integração na modalidade de formação contínua de aquisição, atualização, aperfeiçoamento, especialização ou reconversão profissional;

    - a estrutura em unidades de formação/módulos de 25 ou 50 horas, em número adequado e carga horária formativa total, congruente com as modalidades de atualização, aperfeiçoamento, requalificação ou especialização, bem como as características do público-alvo a que se destinam;

    - a garantia de uma resposta adequada às reais necessidades de formação dos técnicos e da entidade, bem como ter em conta o contexto regional em que se inscreve a sua intervenção.

    Técnicos abrangidos por este programa:

    a) Quadros dirigentes e de chefia: Diretores, Coordenadores da formação e outros;
    b) Formadores e Auxiliares de formação;
    c) Técnicos de Apoio à Inserção Profissional e/ou Técnicos de Acompanhamento à Formação e Emprego;
    d) Psicólogos, Assistentes Sociais, Fisioterapeutas, Terapeutas e outros profissionais de reabilitação físico-funcional;
    e) Docentes especializados nas áreas de comunicação e linguagem;
    f) Docentes especializados em problemas graves da cognição e outros;
    g) Intérpretes e Formadores de Língua Gestual Portuguesa;
    h) Técnicos de Braille e Técnicos de Mobilidade;
    i) Técnicos de Formação de Centros de Formação;
    j) Técnicos afetos à reabilitação dos serviços públicos de formação e emprego e outros organismos mediadores do processo de integração socioprofissional destes públicos.

    l). Os Profissionais que desempenhem funções ao nível do atendimento, caracterização e encaminhamento de pessoas com deficiências e incapacidades, nomeadamente em entidades/organismos, públicos ou privados, centros de reabilitação, de recursos especializados, de formação, e de reconhecimento e validação de competências e, necessitem de adquirir e/ou atualizar conhecimentos e competências transversais ao processo de integração socioprofissional destes públicos, visando o desenvolvimento de uma cultura de parceria entre os técnicos dos diversos organismos públicos ou privados que intervêm na área das políticas integradas de habilitação e reabilitação profissional.

    Os formandos destas acções têm direito a subsidio de refeição no valor de 4,27 Euros/dia.
    Esta formação responde à obrigatoriedade de formação ministrada aos trabalhadores 35 h/ano.
    Para a integração no projeto necessitamos da seguinte informação:

    Conteúdos programáticos consoante as necessidades e habilitações dos colaboradores (ex.: trabalho social/orientação, artes criativas, música);
    Caraterização da Entidade;
    Nº de colaboradores;
    Habilitações dos colaboradores;
    Atividades desenvolvidas;
    Parcerias Locais;
    Outros Projetos;
    Horário de formação pretendido (laboral/pós-laboral).

    Para dar início ao programa gostaríamos de ter a vossa confirmação de participação e o envio da informação, acima requerida, o mais brevemente possível.

    Agradeço a atenção.
    Qualquer dúvida, disponha!
    Com os melhores cumprimentos,

    Ana Domingos
    Av. General Humberto Delgado, Lote 1 3º Dto.
    2955-115 Pinhal Novo
    Telefone: 212 384 609 Fax: 212 384 611

    Enviado por email

    CogWeb: Ferramenta para o treino e estimulação de pessoas com dificuldades cognitivas








    O sistema COGWEB é uma ferramenta validada cientificamente para o treino e estimulação de pessoas com dificuldades cognitivas.
    As actividades de treino são realizadas via internet, oferecendo um treino intensivo no domicílio, mas sempre sob monitorização especializada.

    Um grupo de investigadores portugueses desenvolveu este sistema de treino cognitivo online, validado cientificamente. O sistema permite programas de estimulação específicos para as necessidades de cada pessoa. Pode ser utilizado em qualquer lugar (casa, escola ou instituição), havendo sempre supervisão especializada. Em breve haverá uma versão especifica para escolas.

    Podem conhecê-lo melhor em: Cogweb




    Fonte : tetraplegicos.blogspot.pt

    1º Sistema de Comunicação Aumentativo e Alternativo Multiplataforma

    A Câmara Municipal de Castro Daire criou o 1º Sistema de Comunicação Aumentativo e Alternativo Multiplataforma (Windows, Mac, Linux, Android, iPad, iPhone) desenvolvido em Portugal, com funcionalidades únicas no mundo e totalmente gratuito. O sistema foi baptizado de “BIA”..

    Este projeto surgiu com o objetivo de melhorar a vida da Beatriz, uma criança do Concelho de Castro Daire com paralisia cerebral (tetraplegia espástica com componentes atetósicos e disartria) que não consegue comunicar de forma verbal, o que constantemente se revela uma enorme limitação, pois torna-se difícil satisfazer as suas necessidades mais básicas.

    Este sistema tem como base o caderno de comunicação físico(papel) da Beatriz, criado pela Terapeuta da Fala da APCV, Drª.Vanessa Malaquias, transformado em suporte digital. A aplicação é composta por símbolos pictográficos de comunicação coloridos, devidamente separados por categoria, que após a sua selecção  reproduz sonoramente a palavra associada ao símbolo.


    Fonte e toda a informação: CM de Castro Daire

    quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

    Lançamento do livro da Rita Saraiva


    Tetraplégica controla braço robótico com a mente de ‘forma inédita’


    Um braço robótico já pode ser controlado pelo pensamento de forma “sem precedentes”, de acordo com um estudo publicado pela revista médica “The Lancet”.
    Jan Scheuermann, de 53 anos, paralisada do pescoço para baixo, foi capaz de mover com destreza um braço mecânico, segurando objectos como se eles fossem movidos por sua própria mão biológica.
    Implantes cerebrais foram usados na paciente para controlar o braço robótico, e o resultado foi avaliado por especialistas como “uma conquista extraordinária”.
    Jan foi diagnosticada com degeneração espinocerebelar 13 anos atrás e foi perdendo o controle de seu corpo progressivamente. Ela não consegue mais mover seus braços e pernas.
    Ela recebeu o implante de dois sensores — cada um de 4mm x 4mm — no córtex do cérebro. Uma centena de pequenas agulhas em cada sensor percebe a actividade eléctrica de 200 células cerebrais.
    Comandos
    Os neurónios se comunicam entre si através de pulsos, diz o professor Andrew Schwartz, da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos.
    Essas vibrações eléctricas no cérebro são então traduzidas em comandos para mover o braço — dobrar na altura do cotovelo, rotar e agarrar um objecto, por exemplo.
    Jan foi capaz de controlar o braço logo no segundo dia de treino; ao longo de 14 semanas, foi aperfeiçoando essa habilidade.
    Segundo o estudo médico, ela adquiriu “coordenação, habilidade e velocidade quase similares às de uma pessoa de corpo não deficiente”.
    Schwartz contou à BBC que movimentos tão precisos nunca haviam sido observados antes.
    “São (movimentos) fluidos e muito melhores do que o que se havia demonstrado antes”, afirmou. “Acho que isso é uma prova convincente de que essa tecnologia (se converterá em uma terapia) para pessoas com lesões na espinha dorsal”.
    Para Schwartz, a nova tecnologia já permite que essas pessoas realizem tarefas diárias.
    Tecnologia em casa
    As técnicas que apostam no poder de um cérebro saudável para superar um corpo danificado têm avançado rapidamente.
    No início deste ano, um estudo apontou que uma mulher conseguiu usar um braço robótico para servir-se de uma bebida pela primeira vez em 15 anos desde que sofreu um derrame.
    Nos dois estudos, porém, os resultados foram obtidos em laboratório — ou seja, a tecnologia ainda não foi aplicada em suas casas.
    Agora, pesquisadores tentam acoplar o braço mecânico à cadeira de rodas de Jan, para que ela possa usá-lo em sua vida quotidiana.
    Também há tentativas de dar sensações ao membro artificial, para que seu portador volte a experimentar o sentido de toque.
    Para os pesquisadores Gregoire Courtine, Silvesto Micera, Jack DiGiovanna e José del Millan, o controle do braço retratado no estudo é uma conquista “tecnológica e biomédica incrível”.
    Eles acrescentam que tecnologia do membro mecânico está chegando perto do ponto em que “poderá, em breve, se tornar um modelo revolucionário de tratamento” para portadores de paralisias.
    Assista o vídeo:
    Fonte: G1

    quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

    INSCRIÇÕES ABERTAS | Cursos Vaqueiro | Janeiro de 2013


    No âmbito da parceria estabelecida entre a ASSOCIAÇÃO SALVADOR e a VAQUEIRO, esta disponibilizagratuitamente cursos de Cozinha a pessoas que se deslocam em cadeira de rodas.

    Esta parceria surgiu porque desde 2009 que a Academia dos Sabores - onde decorrem os Cursos de Cozinha - tem uma bancada adaptada para quem se desloca em cadeira de rodas.

    Serão disponibilizadas 2 vagas por curso (1 para a pessoa que se desloca em cadeira de rodas + 1 para o acompanhante) nos cursos Vaqueiro abaixo mencionados.

    Nota: As vagas disponíveis neste e-mail poderão sofrer alterações, pelo que estão sujeitas a confirmação.

    Cursos - Janeiro de 2012:

    • 08 de Janeiro, terça-feira, das 19h às 22h - Pratos Rápidos de Forno
    • 14 de Janeiro, segunda-feira, das 19h às 22h - Risottos
    • 21 de Janeiro, segunda-feira, das 19h às 22h - Solteiros na Cozinha
    • 22 de Janeiro, terça-feira, das 19h às 22h - Receitas Rápidas e Jantares de Amigos
    • 29 de Janeiro, terça-feira, das 19h às 22h - Receitas Rápidas com chocolate
    Local: Academia dos Sabores | Largo Monterroio Mascarenhas, nº 1 (perto das Amoreiras) - Lisboa.
    Horário: Dias de semana: das 19h00 às 22h00 (Jantar incluído)
    Estacionamento: Na entrada da Academia dos Sabores há um lugar de estacionamento reservado para pessoas com deficiência.

    Todos os cursos implicam a preparação de uma bancada com todos os ingredientes a utilizar no decorrer do curso, pelo que é muito importante que todas pessoas que se inscrevam possam efetivamente comparecer na data/ hora do curso.

    Será solicitado às pessoas SELECIONADAS para frequentar os cursos uma caução de 10 euros que será devolvida por tranferência bancária depois da frequência do curso.

    É obrigatório que as inscrições sejam processadas pela Associação Salvador, pelo que se estiver interessado,preencha este formulário de pré-inscrição.

    Associação Salvador | Av. Fontes Pereira de Melo 14, 9º | 1050-121 Lisboa | Tel. 213 184 851 |info@associacaosalvador.com | www.associacaosalvador.com 

    Enviado por e-mail

    segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

    9 mitos sobre pessoas com deficiência

    Encontrei este artigo muito interessante sobre Mitos acerca da deficiência...
    Boa leitura!

     Idéias errôneas que fazem parte do senso comum
    Os preconceitos são sustentados por mitos (ideias falsas, sem correspondente na realidade) nos quais as pessoas acreditam sem muitas vezes perceber o quanto eles são absurdos.
    Estes preconceitos são transmitidos na sociedade sem serem percebidos, como se fossem naturais. Para isso a única cura é a informação e o convívio com pessoas diversas. Abaixo mostramos alguns mitos. Conhecendo-os e refletindo a respeito ficará mais fácil combatê-los.
    Deficiência é sempre fruto de herança familiar
    No Brasil e no mundo as grandes causas de deficiência não têm origem genética e nem são hereditárias. Na maior parte dos casos elas são resultados da falta de saneamento básico que ocasiona infecções, falta de assistência pré-natal e ao parto e, principalmente, os acidentes de carro e a violência por arma de fogo.
    As pessoas com deficiência são todas amigas ou familiares uns dos outros
    As pessoas quando encontram alguém com deficiência costumam perguntar se ela conhece uma outra pessoa “assim, assado, com uma cadeira de tal cor”, como se todas as pessoas com deficiência do mundo se conhecessem e fossem amigas. As pessoas com deficiência não vivem em um mundo a parte onde só existam outras pessoas assim e o fato de terem a mesma deficiência, por exemplo, não faz com que automaticamente concordem sobre tudo. São pessoas diferentes com diferentes visões de mundo, assim como qualquer outra.
    Existem remédios milagrosos que curam as deficiências
    Apesar dos esforços e conquistas decorrentes das pesquisas e do conhecimento de biologia molecular, os diferentes tipos de deficiência ainda não têm cura. Em alguns casos existem medicamentos que podem auxiliar em um ou outro sintoma, mas o mais importante é a estimulação da pessoa e a minimização da desvantagem, ou seja, tornar o ambiente mais acessível física e atitudinalmente para que todos possam usufrui-lo.
    Deficiência é doença
    Deficiência não é doença nem é contagiosa. Uma deficiência pode ser sequela de uma doença, mas não é a própria doença.
    Pessoas com deficiência física não têm vida sexual
    Sexualidade é algo muito mais amplo que sexo e, consequentemente, sexo é muito mais que genitalidade. A pessoa com deficiência física, seja homem ou mulher, tem vida sexual, namora, casa e na maior parte dos casos pode ter filhos.
    Todo surdo é mudo
    A pessoa com surdez na maior parte dos casos apresenta os órgão fono-articulatórios íntegros e tem todo o potencial para desenvolvimento da fala. Não é porque é surdo que se torna automaticamente mudo. A mudez autêntica é extremamente rara e decorrente de lesões cerebrais.
    A pessoa com deficiência mental gosta de trabalhos repetitivos
    Algumas pessoas podem se sentir mais confortáveis com actividades repetitivas, isso faz parte da diversidade humana de aptidões e personalidades, mas não é característica de um determinado grupo de pessoas.
    Algumas pessoas com deficiência mental gostam de ambientes e actividades mais estruturadas, outras gostam das expressivas e artísticas, ou seja, como qualquer outra pessoa elas têm gostos e preferências.
    Só há duas categorias de pessoas: os cegos e os que vêm “normalmente”
    Existem pessoas com baixa visão, podem distinguir formas ou cores. Algumas pessoas com baixa visão podem ler com o auxílio de uma lupa. Também existem as pessoas que não enxergam.
    Todo cego tem tendência à música
    A pessoa cega tem uma atenção diferenciada aos estímulos auditivos, afinal a audição a auxilia na locomoção e localização, ajudando na noção de distância. Daí para esta atenção tornar-se um talento sobrenatural para a música, há uma grande diferença.
    Fonte: Somos @ Telecentros

    "SAIR À RUA PARA QUEM NÃO VÊ PODE SER UMA ARMADILHA MORTAL"







    Há que apurar responsabilidades.

    Coimbra. Morte de antigo dirigente da ACAPO, após uma queda, alerta para a necessidade de o Governo mexer nas regras das acessibilidades.



    O Governo prepara- se para fazer uma nova alteração à lei das acessibilidades, em que pretende atualizar e clarificar alguns dos pontos da legislação ainda em vigor, para evitar casos como o da morte de José Adelino Guerra, fundador da Associação de Cegos e Amblíopes de Portugal ( ACAPO). “Um dos aspetos positivos é que a nova lei não mexe no prazo de adaptação”, apontou Rodrigo Santos, revelando que no parecer que a ACAPO deu foram feitas sugestões no sentido da aplicação prática das regras. “Pedimos maior clarificação das regras e da responsabilização da administração pública, na formação dos recursos humanos para que estejam aptos a fiscalizar”.

    As acessibilidades j á foram alvo de duas legislações. A primeira em 1997 e a segunda em 2006. De acordo com as regras em vigor, as entidades têm um período dez anos para a adaptação dos espaços públicos e edifícios às regras de acessibilidade, que pode desresponsabilizar os organismos que ainda não estão a cumprir todas as regras.

    “O prazo de adaptação foi um erro crasso que a alteração da lei, em 2006, trouxe. A legislação anterior previa um prazo de adaptação até 2007. Mas com a lei que entrou em vigor em 2006, o prazo foi alargado até 2017. A existência de barreiras arquitetónicas pode matar. O caso de Coimbra é uma dura lição para todos nós”, disse ao DN Rodrigo Santos, j urista e membro da direção da ACAPO.

    A queda fatal de José Adelino Guerra está a desencadear várias reações, designadamente quanto às condições de segurança e mobilidade na rua Pedro Monteiro, em Coimbra. O técnico superior da autarquia morreu pouco tempo depois de ter saído do trabalho, na Casa Municipal da Cultura. O seu colega na secção para deficientes visuais, Emanuel Laça, seguia uns passos à frente. “Ouvi uma senhora a gritar e ouço um barulho forte [ resultante da queda]”. Na sua opinião, “alguma distração” poderá estar na origem da tragédia. “Estive lá hoje [ ontem] e mesmo que a vedação estivesse completa, ele poderia cair na mesma. O que deveria existir era uma vedação mais alta e, também, outra proteção ao longo de toda a rua Pedro Monteiro”. Emanuel Laça lembra que noutro ponto desta rua, perto da Penitenciária, existe uma boca de incêndio que “é uma ratoeira”.

    A vice- presidente da câmara, Maria José Azevedo Santos, responde que caberá “ao departamento de obras” da autarquia uma análise do que sucedeu na sexta- feira passada. “Ele, quando ia à piscina, deixava a ‘ Luca’ em casa”, lembra, emocionada, pois naquele fim de tarde, ele não estava com o cão- guia. A autarca lembra o dinamismo deste “funcionário incansável”, mentor, entre muitas outras iniciativas, do postal de Boas Festas, em braille.

    Armadilhas mortais

    Sair à rua para quem não vê pode ser uma armadilha mortal. Apesar do esforço que se tem feito, é preciso fazer muito mais. “26% dos nossos sócios têm graves problemas de mobilidade. Deve- se também ao medo porque sabem que as nossas cidades não estão preparadas. Sabemos que o processo de adaptação não é rápido, mas o esforço tem de ser maior. Isso depende de todos nós”, defendeu Carlos Lopes, presidente da ACAPO.

    Ele próprio já apanhou alguns sustos. “O comboio intercidades quando para na estação abre as portas de um lado e outro. Por sorte, quando quis descer, a minha cadela não se mexeu. O comboio passou à minha frente. Estava a sair do lado da linha”.


    Por Ana Maia e Paula Carmo in Diário de Notícias de 11 de Dezembro de 2012


    ISTO É UMA VERGONHA. NÃO VAMOS FICAR PARADOS!!



    Este não é um caso único. A atribuição de Ajudas Técnicas, que recordamos ser um direito inscrito na lei, continua a ser gerida de uma forma arbitrária como se de um totoloto se tratasse.

    O Governo garantiu um reforço de 3 milhões que se ficou pelos 960 mil euros e abriu uma conta de e-mail para reclamações, mas os serviços continuam com as mesmas p

    ráticas do passado.

    Para nós não chega a existência de uma caixa de reclamações. É a alteração dos procedimentos dos serviços financiadores que exigimos e que nos foi prometido pelo Sr. Secretário de Estado da Solidariedade e da Segurança Social no dia 3 de Outubro na Assembleia da República. Sabíamos da pressa que tinham de nos tirar de frente da Assembleia da República, mas também estávamos convencidos que falávamos com pessoas de bem que cumpriam a sua palavra. NÃO FOI O CASO.

    Este vídeo merece a pena ser visto, mas merece sobretudo a pena ser ouvido, para que possam ouvir em primeira mão como somos atendidos na ISS em Vila Franca de Xira e em que estado está a situação das Ajudas Técnicas neste país...

    Cliquem no link apresentado em baixo e "desfrutem"...

    https://www.facebook.com/photo.php?v=10200172974272841

    Fonte: Movimento (d)Eficientes Indignados

    Regras que regulam a acumulação da pensão de invalidez com rendimentos de trabalho

    As regras que regulam a acumulação da pensão de invalidez com rendimentos de trabalho encontram-se previstas na Seção II do Decreto-Lei nº 187/2007, de 10 de maio, com as sucessivas alterações, nos art.s 58.º e seguintes.

    De acordo com o nº 1 do art. 61.º, a pensão de invalidez absoluta não é cumulável com rendimentos de trabalho. No entanto, ao abrigo do art. 59.º, a pensão de invalidez relativa pode ser acumulada com rendimentos de trabalho nos seguintes casos:

    - Se os rendimentos resultarem da mesma profissão que tinha antes de começar a receber a pensão por invalidez, o valor acumulado pode ir até 100% da remuneração de referência que serviu de base ao cálculo da pensão;

    - Se resultarem de uma profissão diferente, o limite do valor acumulado é uma percentagem da remuneração de referência tomada em consideração no cálculo da pensão, que varia de acordo com anos de acumulação, nos termos do Anexo III da referida Portaria.

    Deste modo, se forem ultrapassados os limites estabelecidos, pode não haver lugar a acumulação entre a pensão e os rendimentos de trabalho.

    No que diz respeito ao subsídio de doença, a alínea c) do art. 6.º do Decreto-Lei nº 28/2004, de 4 de Fevereiro (diploma que define o regime jurídico de proteção social na eventualidade de doença no âmbito do subsistema providencial da segurança social), com as sucessivas alterações, refere que não há lugar à atribuição de subsídio de doença aos beneficiários que se encontrem”a receber pensões de invalidez e velhice de quaisquer regimes de proteção social, salvo o disposto no nº 2 do art. 27.º.”


    Fonte: INR

    Ceye + C12/C15: Sistema portátil que permite o controlo do computador pelo olhar


    O CEye + C12/C15 é um sistema portátil de acesso pelo olhar. O C12 é de 12 polegadas e o C15 de 15 polegadas.

    Esta tecnologia permite detectar com rigor para onde o utilizador está a olhar seguindo o movimento dos seus olhos. Permite o controlo do computador, possibilitando a pessoas com movimentos muito limitados conseguir, por exemplo, comunicar de uma maneira independente utilizando software de comunicação existente no mercado (GRID2 ou SPEAKING DINAMICALLY).

    Contém:
    Sistema integrado de controlo de ambiente IV
    Software para controlo do Windows
    Ligação Bluetooth, Câmara, Microfone, Altifalantes
    Entrada para manípulos
    2 Baterias com autonomia até 6 horas

    NOTA: Este equipamento tem opção de compra ou de aluguer. Consulte-nos ( info@anditec.pt) para saber as condições de aluguer!

    Fonte e informação completa: Anditec

    Wcs e estacionamentos acessiveis


    Aqui está uma boa ideia. Um site e aplicações para smartphones onde pode encontrar o WC ou o lugar de estacionamento que precisa. 
    É feito numa base colaborativa sendo os próprios utilizadores que vão acrescentando informação. Em Portugal só está assinalada um WC acessível. Apelamos a que assinalem todos WCs e estacionamentos que conhecem. 

    É escusado dizer que será muito útil para muita gente, não é? http://www.wheelmate.com/en/







    Estudo: Deficiência e Emancipação Social: para uma Crise da Normalidade

    Estive presente no Colóquio Internacional onde foram apresentados os resultados do Estudo: “Deficiência e Emancipação Social: para uma Crise da Normalidade”.

    Aqui vos deixo um pequeno video com excertos das entrevistas dos participantes no estudo:

    “Deficiência e Emancipação Social: para uma Crise da Normalidade”,

     levado a cabo pelo CES-Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra  onde o meu amigo Eduardo Jorge do Blogue Nós Tetraplégicos também teve a honra de participar. Posteriormente irá ser lançado um livro e video com os respectivos resultados.


    Obs: O Eduardo Jorge faz referência à petição da autoria do IPCVI. "O que queremos é viver".

    Fonte : http://tetraplegicos.blogspot.pt

    quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

    quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

    ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DOS CUSTOS FINANCEIROS E SOCIAIS DA DEFICIÊNCIA




    Disponibilizamos hoje um estudo que, ao que parece, os governos não gostam. Encomendado e finalizado durante o governo de José Sócrates, dizem-nos que nunca foi aprovado politicamente nem por esse governo nem pelo actual, não tendo por isso sido publicado oficialmente. 

    Chegaram-nos agora informações de que vai ser en

    comendado novo estudo sobre o mesmo assunto. Esperemos que não seja um “estudo” com resultados estabelecidos à partida.

    Aqui ficam alguns extractos do estudo realizado pelo Centro de Estudos Sociais – Faculdade de Economia de Coimbra. Pode descarregar o texto integral no link que se encontra mais abaixo.

    “As diferentes fontes permitiram quantificar as várias dimensões do quadro estrutural de desigualdade enfrentado pelas pessoas com deficiência na nossa sociedade: menores níveis de educação, menor taxa de empregabilidade, menores rendimentos do trabalho, maiores despesas com a saúde. Verifica­se, ainda, que as transferências sociais não suprem as condições de especial vulnerabilidade das pessoas com deficiência, pelo que, mesmo quando o peso compensatório destas é ponderado, se mantém um quadro de menor rendimento global das pessoas com deficiência e ou incapacidade e dos agregados familiares a que estas pertencem.”

    “Os resultados obtidos oferecem um diagnóstico quantitativo e qualitativo das condições de desigualdade a que estão sujeitas as pessoas com deficiência e/ou incapacidades, constituindo uma base importante para (re)definição das políticas públicas.”


    Pode descarregar aqui: http://www.mediafire.com/view/?ajnrpli6xluvxvf


    Fonte: www.facebook.com/dEficientes.Indignados

    domingo, 2 de dezembro de 2012

    I Jornadas do CASCI - Habilitar para Incluir



    O Centro de Acção Social do Concelho de Ílhavo (CASCI) organiza as “I Jornadas do CASCI – Habilitar para Incluir” no auditório do Museu Marítimo de Ílhavo, no dia 19 de Janeiro de 2013. Esta iniciativa visa a troca de experiências e saberes acerca da deficiência e a disseminação de boas práticas para a inclusão escolar, profissional e social.

    Especialistas, investigadores, docentes e terapeutas irão apresentar comunicações que visam habilitar a Comunidade e os demais profissionais para uma intervenção mais ajustada às necessidades da pessoa em situação de desvantagem, munindo-os e dotando os cuidadores/educadores com ferramentas teóricas e práticas para resultados mais profícuos e efetivos.

    Convidamos Vossas Excelências a participar no referido evento e solicitamos a divulgação do mesmo pelos vossos colaboradores e contactos.

    Agradecendo desde já a atenção que certamente irá dispensar.
    Cordiais cumprimentos,

    A comissão organizadora

    Contactos para inscrição:

    http://jornadascasci2013.blogspot.pt/

    Enviado por email

    Fórum Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência


    A Associação Portuguesa de Portuguesa de Deficientes vai realizar no próximo dia 3 de Dezembro, pelas 14,00 horas, no Auditório do Edifício Novo da Assembleia da República, sob o lema "Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência - Balanço da implementação".
    A inscrição é livre e deve ser efectuada através dos contactos:contabilidade-sede@apd.org.pt ou 213889883/4.
    Estarei presente como comentadora do painel "2007-2012, 5 anos de Implementação da Convenção em Portugal: Que avanços? Que desafios?"

    Cresaçor- Turismo Acessível nos Açores


     A Cresaçor é uma Cooperativa Regional de Economia Solidária, localizada na Região Autónoma dos Açores. Esta instituição disponibiliza serviços de turismo acessível na ilha de S.Miguel.
     Localizada na freguesia das Sete cidades, na Ilha de S. Miguel nos Açores, a Cresaçor  trabalha com o objectivo de promover o desenvolvimento local e comunitário das potencialidades em termos de recursos turísticos da zona rural das Sete Cidades. Estas     actividades de turismo e lazer no âmbito do turismo Social e Solidário e Inclusivo particularmente a grupos desfavorecidos  e pessoas com algum tipo de incapacidade.

     Em parceria com a Associação de Juventude da Candelária dinamizam o posto de Ecoturismo  a loja Eco-Atlântida, nas Sete Cidades, onde são vendidos ,aos visitantes, produtos locais e de economia solidária da Rede de Empresas de Economia Solidária dos Açores.

    Como empresa de animação turística, a Cresaçor, é uma empresa certificada com o alvará n. 08/2005. É membro nº 800 da ENAT( Rede Europeia de Turismo Acessível.

     A Cresaçor oferece várias actividades acessíveis como passeios de Jipe, passeios pedestres , observação de aves, observação de aves, surf adaptado entre outras actividades.


     
     Fonte : Revista Turismo e Desenvolvimento nº 16, Universidade de Aveiro
     ´

     Contactos: www.cresacor.org

    Sede da Cresaçor: Rua D. Maria José Borges nº 137 r/c, Fajã de Baixo, 9500-466 Ponta Delgada
    Telefone: 296 281554
    Fax: 296 281542
    E-mail: cresacor@cresacor.org


      Videos Relacionados: